Geral

Websérie sobre Cenário da Cadeia Produtiva de Óleo e Gás estreia com mais de 400 espectadores


Na primeira webinar da Firjan sobre o Cenário da Cadeia Produtiva de Óleo e Gás (O&G), fornecedores do mercado mostraram suas visões e discutiram os desdobramentos deste momento de crise na cadeia produtiva para o Brasil. A transmissão online, em 28/04, fez parte de uma série que tem como objetivo apresentar as principais práticas, dados, análises e perspectivas para esse mercado no Rio de Janeiro e no país. A ideia é dar continuidade às iniciativas da federação, de disponibilizar informação qualificada para o mercado e conectar seus atores.

A próxima edição ocorre nesta terça-feira (5/5), a partir das 16h, reunindo representantes da Genesis Oil and Gas Consultants, BW Offshore do Brasil e Eletromatrix Ind. Galvânica. A transmissão online é gratuita e aberta a todos os interessados. Clique aqui para mais informações e inscrições.  .

A transmissão pelo YouTube teve pico de mais de 400 pessoas assistindo simultaneamente. Com participação remota, foram convidados para a estreia Rafael Torres, diretor de Desenvolvimento de Negócios da SBM Offshore; Marcelo Noto Bonilha, presidente da EBSE Engenharia de Soluções; Lourenço Morucci, diretor de Engenharia da Ocyan; e Luiz Leão, gerente de Negócios da PWR Mission. A intermediação foi realizada por Karine Fragoso, gerente de Petróleo, Gás e Naval da Firjan.

Demandas diferenciadas

De acordo com Leão, mesmo com a crise gerada pela pandemia – que se sobrepõe à situação imposta pelo valor do barril –, tem sido criado um estreitamento da relação com os clientes, que geram demandas diferenciadas. “Estamos conjugando no gerúndio a crise. Por isso, temos criado soluções híbridas. As pessoas estão mais acessíveis e as conversas, mesmo por e-mail, mais sólidas para uma tomada de decisão. Afinal, a decisão sempre será analógica. Muitos projetos estavam sendo postergados por conta da demanda operacional e agora estão em produção. Também tem a demanda por produtos tipicamente importados”, ressaltou o gerente da PWR.

Para Leão, um futuro promissor precisa, além do destrave político do país, focar em seis pontos: demandas do pré-sal; demandas onshore, que gera mais postos de trabalho; seleção natural – só sobrevive quem está mais preparado e conhece o mercado; soluções criativas; desenvolvimento de vantagens competitivas; e localização estratégica para facilitar o estreitamento dos negócios. “Precisamos criar soluções para problemas que, às vezes, o cliente nem sabe que existe. Temos que nos antecipar às demandas”, pontuou Leão.

Inteligência artificial

Morucci vê a digitalização e a inteligência artificial como diferenciais para superar a crise. “Utilizamos a inteligência artificial para a tomada de decisão em aspectos operacionais. Ouvir as máquinas está relacionado com a melhoria de performance, melhoria de up time. Temos a possibilidade de intervir. E, assim, temos uma vertente de redução de custo e melhoria de receita. Então todos os stakeholders ficam satisfeitos. O desenvolvimento tecnológico traz um diferencial da performance operacional”, destacou o diretor da Ocyan. Mesmo em meio à pandemia, a empresa está com inscrições abertas para o seu programa destinado às startups (www.ocyanwaves.com).

“Uma tempestade perfeita”. Foi assim que Torres definiu a crise gerada pelo novo coronavírus, que, por sua vez, é o maior impulsionador da digitalização, em sua opinião. “As empresas estão se reinventando. As operações estão sendo com o mínimo de pessoas, e o que não é essencial é adiado. É momento de preservar o caixa. Quando voltarmos a alguma normalidade, precisamos procurar trabalhar mais com digitalização, aumentar a capacidade de produção das unidades existentes, mapear oportunidades, como descomissionamento, e ver novas formas de se desenvolver no mercado. Temos grandes campos aqui no Brasil”, disse o diretor da SBM Offshore.

Bonilha tem uma visão confiante do futuro. “Acredito que a nossa indústria tem tudo para responder às exigências de mercado e retomar. Mas é preciso se diversificar para aumentar o número de portfólios, criando mais oportunidades. Além disso, é muito importante que melhore o custo de capital. Afinal, conteúdo nacional gera emprego, renda, ajuda na área social e reduz a violência”, enfatizou o presidente da EBSE Engenharia de Soluções.

Acesse aqui o vídeo completo da webinar.