Hidrossanitária

VII CITENEL E III SEENEL ACONTECEM NO RIO DE JANEIRO, E ELETROBRAS PROCEL ESTEVE PRESENTE


O VII Congresso de Inovação Tecnológica (Citenel) e III Seminário de Eficiência Energética no Setor Elétrico (Seenel) aconteceram entre os dias 05 e 07 de agosto no Centro de Convenções Sul América, no Rio de Janeiro. Os atuais maiores eventos de P&D e Eficiência Energética do País, são coordenados pela Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL. Eles acontecem a cada dois anos, sempre em uma capital diferente e com organização da concessionária local. Este ano de 2013, os eventos aconteceram no Rio de Janeiro, e foram organizados pela Light.

O objetivo principal do evento é divulgar para a sociedade os resultados e impactos obtidos no Programa de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e Eficiência Energética pelas concessionárias, permissionárias e empresas geradoras de energia de todo país. Além destas, estiveram presentes no Citenel, a Abesco, a Eletrobras Procel, o Inmetro, pesquisadores, fabricantes, representantes de empresas, Esco´s e profissionais das empresas de energia elétrica de todo Brasil.

Com o tema “Inovação com responsabilidade: Superando barreiras e agregando valor”, o evento teve sua cerimônia de abertura com renomeados nomes da energia elétrica brasileira. Na mesa estavam Maurício Tomasquim (Presidente da EPE), Romeu Donizete Rufino (Diretor Geral da Aneel), Nelson Fujimoto (Secretário de Inovação do MDIC), Evandro Leite (Diretor de Energia da Light) e Altino Ventura Filho (Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do MME).

Em seu discurso de abertura Tomasquim disse que a fonte menos poluidora e mais barata de energia é aquela que não usamos, e ressaltou o trabalho da Eletrobras Procel “De todo o recurso destinado à eficiência energética, as principais ações são realizadas pelo Procel”. Já Fujimoto afirmou que desde a geração até o consumo, a eficiência energética está na agenda de todos os setores de energia do país. “O trabalho que vem sendo desenvolvido pela Aneel junto com o BNDES e Finep é de extrema importância para o setor energético brasileiro”, disse ele. Para Altino, o Brasil tem um desafio muito grande em expandir o sistema de eficiência energética e já vem conseguindo. “Os resultados positivos já vêem sendo alcançados desde 1984, com o Programa de Etiquetagem, realizados pelo Inmetro em parceria com a Eletrobras Procel. O programa de eficiência energética das concessionárias também é muito importante e já tem alcançado grandes resultados, que justificam os esforços e tentativas”, completou. Rufino encerrou a cerimônia de abertura falando um pouco sobre o lançamento da publicação da Aneel que foram distribuídas no Kit que os participantes do evento receberam. Nas revistas além de eventos anteriores, há também matérias do Governo Federal sobre a importância da eficiência energética no Brasil.

Ainda no primeiro dia, foram lançadas duas Revistas da Light, uma de P&D e outra mais específica de Eficiência Energética, e o Livro Redes Elétricas Inteligentes no Brasil – Subsídios para um plano nacional de sustentação, da Aneel. Ambas as publicações foram distribuídas gratuitamente no estande das empresas.

No segundo dia, com o tema “Experiências internacionais de políticas públicas para eficiência energética”, o segundo painel do evento foi moderado foi Gilberto Jannuzzi (professor da Unicamp) e os debatedores foram três internacionais. Ignácio Bedoya, da EE Energy Engineers da Alemanha, Adam Hawers da Imperial College do Reino Unido e Santiago Creuheras Diaz da Sener do México. Segundo Jannuzzi os três países em questão se relacionam muito bem com a política nacional de eficiência energética. “É importante ressaltar que fazer eficiência energética é voluntário, não existe obrigação. Os países consumidores precisam ter essa consciência. Muitos programas falharam por falta de conhecimento do consumidor”.

No último dia de evento, foi a vez de um painel todo voltado para a eficiência energética “Mecanismos públicos de promoção de eficiência energética no Brasil”. O moderador da mesa foi Agenor Garcia, professor da CMVP, e os debatedores foram Máximo Pompermayer, (Superintendente do PEE da Aneel), Renata Falção (Superintendente de Eficiência Energética da Eletrobras), Alfredo Lobo (Diretor de qualidade do Inmetro) e Carlos Alexandre Pires, (Coordenador Geral de Eficiência Energética do MME). Pires fez uma palestra explicando sobre os três programas existentes hoje no setor. Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE), Programa de Planejamento Energético (PPE) e Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel).

Renata Falcão explicou sobre a reestruturação que a área de eficiência energética da Eletrobras vem passando há um ano, com o objetivo de atender o plano de gestão de uma forma que agregasse uma maior rentabilidade e sustentabilidade ao sistema Eletrobras. Falcão lembra que as empresas brasileiras precisam cada vez mais buscar a eficiência em suas ações. “No mundo de hoje é fundamental a prática da eficiência energética nas organizações em todos os aspectos. Tanto nos aspectos operacionais e econômicos, redução de custos como também na eficiência dos recursos humanos e naturais. Na vertente Governo, o Procel continua sendo um importante vetor de fomento à Eficiência Energética no país pois ao longo dos seus 27 anos de existência tem contribuído sobremaneira para a sociedade brasileira. É um programa de Estado”. Lobo divulgou uma estimativa do Inmetro, que diz que 78% dos consumidores brasileiros consideram a etiquetagem ao comprar aparelhos eletrônicos. “Com isso, viemos atingindo desde 1984, um resultado significativo”.

Pompermayer aproveitou sua palestra para explicar sobre as mudanças no Manual para Elaboração de Eficiência Energética.

Nos três dias, além de painéis com especialistas nacionais e internacionais, que abordaram temas estratégicos para o setor de energia elétrica brasileira, os participantes contaram com uma feira onde os expositores apresentaram seus resultados. A novidade desta edição foram as rodadas de negócios, que tiveram dois momentos. No primeiro, foram apresentadas ideias inovadoras em busca de um parceiro para desenvolver o projeto. E no segundo momento, um projeto já desenvolvido, busca uma parceria de um fabricante para lançarem o produto final.

Com o sucesso do VII Citenel e III Seenel, todos os participantes tiveram a oportunidade de trocar experiências em um ambiente de discussão sobre as questões relativas à pesquisa e desenvolvimento da eficiência energética e divulgar suas inovações tecnológicas.


Fonte -Fonte: Procel Info / Ivana Varela