Geral

Petrobras lança Programa de Eficiência de Poços (PEP-70), com foco na redução de 30% dos custos da atividade no pré-sal


Iniciativa está alinhada à estratégia de resiliência e preservação do caixa da companhia 

A Petrobras lançou um Programa de Eficiência de Poços com foco na redução de 30% os custos envolvidos nessa atividade. A intenção é otimizar os projetos de engenharia dos poços e, ao mesmo tempo, incorporar novas tecnologias, que estão em fase de desenvolvimento. Com isso, a previsão é reduzir o tempo perfuração e completação, assim como trazer maior retorno financeiro aos projetos de Exploração e Produção da companhia. O programa está concentrado nas operações futuras de poços no campo de Búzios, no pré-sal da Bacia de Santos – maior campo em águas profundas do mundo e principal ativo do portfólio da Petrobras.

O avanço esperado é a redução progressiva dos tempos de construção de poços em Búzios e, por consequência, a diminuição de custos. Para efeito de comparação, a média dos poços perfurados no campo de Búzios em 2017 foi de 171 dias. Em 2020, graças à aplicação de novas soluções tecnológicas, um dos poços foi construído em apenas 91 dias – uma redução de 47% nesse prazo, que se traduz em economia expressiva para a companhia. Com o novo programa, a meta agora é avançar ainda mais nessa atividade.

A iniciativa está alinhada à estratégia de resiliência e de preservação de caixa da companhia diante do cenário atual de queda do preço do Brent. “Pretendemos aumentar ainda mais a resiliência dos nossos projetos de desenvolvimento de produção no pré-sal, notadamente em Búzios, tornando-os ainda mais competitivos no cenário atual de redução do preço do barril. Com custos menores e maior eficiência, nossa expectativa nos próximos anos é dobrar a quantidade de poços nesse campo, chegando a cerca de 100 poços, contribuindo para maior economicidade dos projetos”, disse o Diretor de Desenvolvimento da Produção da Petrobras, Rudimar Lorenzatto.

Para alcançar a economia de 30% na atividade, a previsão é otimizar a configuração dos poços, racionalizar as operações, além de incorporar tecnologias de última geração adaptadas às condições peculiares do campo de Búzios – marcado, por exemplo, por poços com elevada produtividade e reservatórios com alta espessura e  geologia complexa, que exige emprego de técnicas mais sofisticadas. “A forte integração entre as áreas de geologia, reservatórios, suprimentos e do centro de pesquisas é fundamental para o atingimento das metas do PEP-70”, destaca o Gerente Executivo de Construção de Poços Marítimos, Samuel Miranda.

 

Fotos: agenciapetrobras.com.br
Fotos: agenciapetrobras.com.br

Novas tecnologias trazem redução de custos 

A atividade de construção de poços offshore corresponde em média a cerca de 1/3 do orçamento total de um projeto na área de Exploração e Produção da Petrobras. Por conta disso, toda oportunidade de reduzir custos nesse tipo de operação é sinônimo de alto potencial de geração de valor para a companhia.

Uma das principais frentes do programa é a incorporação de soluções inovadoras para aumentar a eficiência da atividade e a produtividade do campo.  Uma dessas soluções, é a chamada “completação inteligente elétrica” – uma técnica de preparação do poço para produzir por meio de acionamento remoto. A solução garante ainda maior confiabilidade das atividades – as operações são controladas remotamente graças a sensores elétricos instalados no poço –, além de evitar perdas de produção e garantir o melhor gerenciamento do reservatório.

Também na frente de novas tecnologias, o programa prevê o aprimoramento das operações de perfuração do poço; na otimização do escopo de reservatórios e, como sempre em todos os programas deste tipo, na adoção de iniciativas para aumentar a segurança de processo das atividades.

Fotos: agenciapetrobras.com.br
Fotos: agenciapetrobras.com.br

 

Fonte: agenciapetrobras.com.br
Fotos: agenciapetrobras.com.br