Hidrossanitária

ISO 50001: UMA FERRAMENTA PODEROSA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA


Norma fortalecerá práticas de economia de energia elétrica e demandará novos profissionais. Expectativa é que norma seja publicada até o início de agosto.

Uma ferramenta poderosa para eficiência energética. Eis a classificação e importância dadas à norma internacional ISO 50001 pela Eletrobras e pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Representantes do Brasil e dos Estados Unidos estão à frente do desenvolvimento dessa normatização da gestão de energia, que permitirá às indústrias e empresas gerirem seu consumo energético de forma mais eficiente e profissional. A expectativa é que a ISO 50001 seja publicada entre o final de julho e o início de agosto, propiciando o fortalecimento do mercado de eficiência energética, além de criar a necessidade de novos profissionais.

Na avaliação de George Alves Soares, assistente da diretoria da Eletrobras, a ISO 50001 preencherá uma lacuna nos instrumentos de eficiência energética. Segundo ele, a normatização vai possibilitar que ações de eficiência energética sejam mantidas no longo prazo.

Soares disse que é comum alguns setores administrativos relaxarem nas medidas de economia de energia com o passar dos anos. “A vantagem é que a norma cobre uma lacuna muito grande em termos de eficiência energética no Brasil e no mundo: um sistema organizado de tornar as ações de eficiência energética permanentes”, destacou.

Em abril, entrarão em consulta pública no site da ABNT a versão em inglês da minuta da ISO 50001 e a norma brasileira que será espelho dela. Atualmente, a ISO 50001 está na etapa anterior à publicação final. Na sequência, a minuta da norma passará por votação para, no caso de aprovada, ser publicada. Técnicos da Eletrobras e do Centro de Pesquisas de Energia Elétrica (Cepel) participam do aperfeiçoamento da normatização. Além disso, a empresa está promovendo eventos sobre o tema, em parceria com outras instituições, como a ABNT.

O secretário do comitê brasileiro (ABNT/CEE-116) para deliberações sobre o assunto, Eduardo Lima, afirmou que a expectativa é que a norma brasileira (NBR ISO 50001) seja publicada paralelamente à norma internacional. Ele destacou que o Brasil tem participado ativamente do desenvolvimento do texto da nova norma.

“A posição brasileira tem se destacado na condução de diversos conflitos que surgiram durante o desenvolvimento dos trabalhos, apresentando alternativas conciliadoras que oferecessem caminhos viáveis aos olhos da comunidade internacional”, observou Lima. A ABNT/CEEE-116 está trabalhando na adequação da tradução do texto para o português.

A norma monta um sistema de gestão de energia no qual é estabelecido o perfil de consumo, elegendo as cargas que mais consomem e montando metas e objetivos de redução desse consumo. “É um sistema retroalimentado – monitora-se se seus objetivos foram atingidos e depois faz medidas corretivas para atingir aquele objetivo e aquela meta”, avaliou o assistente da diretoria da Eletrobras.

Para Soares, a ISO 50001 impulsionará o mercado de consultoria. “A implementação dessa norma vai gerar uma série de guias, uma série de manuais, de aplicação para cada setor do país. Ele vai criar uma nova classe de consultores, tanto do lado de eficiência energética como da área de gestão”, acredita.

A normalização vai considerar aspectos como o fornecimento de energia, práticas eficientes utilizando equipamentos e sistemas, política energética, planos de ação, criação de um sistema de métodos e soluções de medição de energia em forma de documento. No Brasil, as diretrizes da ISO 50001 serão incorporadas ao Plano Nacional de Eficiência Energética (PNEf) como um dos mecanismos utilizados na economia do consumo. O PNEf deverá ser incorporado ao Plano Nacional de Energia 2030, que estabelece que 10% da demanda de eletricidade até 2030 será atendida por ações de eficiência energética.

Entre os benefícios da nova norma estão a participação e auxílio na implantação de novas técnicas e tecnologias na gestão de energia, assim como o estímulo à participação de toda cadeia de fornecedores, ampliando os benefícios de gestão eficiente ainda mais ativa. Outro ponto positivo da ISO 50001 é o fornecimento de uma metodologia consistente e eficiente para a identificação de melhorias nos sistemas de eficiência energética, assim como nas estruturas físicas das organizações.


Fonte -Fonte: Portal ProcelInfo / Danilo Oliveira