Geral

Indústria do RJ cria 10 mil vagas em 3 meses e recupera 28,3% dos postos de trabalho perdidos na pandemia, aponta Firjan


Somente em setembro, terceiro mês seguido de alta nas contratações do setor industrial fluminense, foram criadas cerca de 4,5 mil vagas. Comércio recuperou apenas 15%, enquanto o setor de serviços apresentou o primeiro saldo positivo do ano, incapaz de eliminar as perdas.

Indústria do RJ cria 10 mil vagas em 3 meses e recupera 28,3% dos postos de trabalho perdidos na pandemia, aponta Firjan
Indústria de Transformação impulsionam geração de vagas no Rio de Janeiro em setembro; segmento de metal recuperou todas as vagas perdidas na pandemia. — Foto: Ricardo Wolffenbuttel/ Secom

Dados divulgados nesta terça-feira (3) pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), mostram que o setor industrial do estado criou 10 mil vagas de trabalho nos últimos três meses. O número, no entanto, recupera apenas 28,3% das vagas perdidas entre março e junho, meses mais afetados pela crise promovida pela pandemia do novo coronavírus.

Segundo o levantamento, somente em setembro foram criadas cerca de 4,5 mil vagas pela indústria fluminense. Foi o terceiro mês seguido de alta, o que, segundo a Firjan, mostra que há tendência de recuperação do mercado de trabalho para o ramo industrial. Em agosto, haviam criadas cerca de 4,3 mil vagas, enquanto em julho o saldo havia sido de 1,3 mil vagas.

Os dados constam na plataforma Retratos Regionais da Firjan, que tem como base o saldo de empregos formais disponibilizados no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia. A plataforma da Firjan traz, mensalmente, recorte setorial e regional do mercado de trabalho fluminense.

A Firjan destacou que, com a nova alta de geração de vagas em setembro, o segmento de Produtos de Metal recuperou todas as vagas perdidas nos primeiros quatro meses de pandemia. Outro segmento com bom desempenho é o de produtos de borracha e material plástico, que recuperou 66,7% das vagas perdidas.

Indústria de transformação puxa nova alta

A Firjan destacou, também, que a alta de setembro foi puxada pela indústria de transformação. As altas anteriores, de julho e agosto, haviam sido impulsionadas pela construção civil.

Das cerca de 4,5 mil novas vagas abertas em setembro, 2,6 mil foram criadas por empresas da indústria de transformação. A construção civil respondeu por outras cerca de 1,8 mil vagas. Os chamados serviços industriais de utilidade pública abriram 75 vagas, enquanto a indústria extrativa, apenas 19.

Ainda segundo a Firjan todas as regiões fluminenses registraram saldo positivo de vagas em setembro, mas em proporções distintas. Enquanto a capital recuperou 25,6% das vagas perdidas entre março e junho, patamar próximo à média do estado, na região Centro Sul o setor industrial já recuperou 82,3% das vagas perdidas.

Na Baixada Fluminense, a recuperação foi de 72,7%, com destaque para a região de Nova Iguaçu, com 97,8% das vagas recuperadas.

No Leste Fluminense, esse percentual foi de 53%, enquanto no Noroeste, de 44,8%. Já no Centro Norte a recuperação foi de 29,1%.

Comércio recupera só 15,3%, enquanto o setor de serviço tem 1ª alta

Considerando todos os setores econômicos, foram abertas 8,9 mil vagas em setembro em 71 dos 92 municípios do Rio de Janeiro. Este foi o segundo resultado positivo seguido. Em agosto, haviam sido abertas cerca de 5,3 mil vagas.

Com este resultado, o setor de comércio conseguiu recuperar apenas 15,3% do total de vagas perdidas com a pandemia, pouco mais da metade do observado no setor industrial.

Já o setor de serviços, o mais afetado pelas medidas de isolamento social impostas para tentar frear a disseminação do novo coronavírus, teve o primeiro saldo positivo de geração de vagas desde fevereiro, com a criação de 163 postos de trabalho em setembro.

 

Fonte: g1.globo.com/rj/

Foto: Ricardo Wolffenbuttel/ Secom