Geral

FPBio propõe ao governo retomada os 13% de biodiesel na mistura ao diesel fóssil definido pelo CNPE


Biodiesel

Ao tomar posse nesta quarta-feira (19) na presidência da Frente Parlamentar Mista do Biodiesel (FPBio), o deputado Pedro Lupion (DEM-PR) defendeu a retomada imediata do percentual de 13% na mistura do biodiesel ao diesel de petróleo. Segundo o parlamentar, o objetivo da frente é valorizar os fornecedores de matéria-prima, produtores, esmagadores de soja e quem investe no agronegócio, já que o óleo de soja representa 70% do biodiesel.

“O setor de biodiesel é onde se agrega valor à economia primária e sem dúvidas deve ser valorizado”, defendeu o novo presidente da FPBio. Como primeira ação da Frente, Lupion está recolhendo assinaturas de colegas do Congresso em uma carta do setor ao governo solicitando a programação da mistura obrigatória do biodiesel ao diesel de petróleo.

Em março, o governo decidiu reduzir de 13% para 10% este percentual, interrompendo a programação definida pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), que prevê 13% este ano, 14% no próximo ano e 15% em 2023.

Pedro Lupion substitui o deputado Jerônimo Goergen (PP-RS) que esteve por dois mandatos como presidente da FPBio. Esta é a quarta diretoria da Frente Parlamentar do Biodiesel, que foi criada no Congresso há cerca de 10 anos. O coordenador do grupo para os próximos dois anos é o senador Carlos Fávaro (PSD-MT).

O presidente da União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene (Ubrabio), Juan Diego Ferrés, destacou a importância estratégica do combustível para uma política de descarbonização da matriz de transporte, além da sua relevância econômica, social e ambiental para o país, por possibilitar uma maior industrialização e agregação de valor a principal matéria prima do biodiesel, que é a soja.

“O Brasil deveria estar aumentando a produção de biocombustíveis em geral, e do biodiesel em especial, e não diminuindo. Esta decisão de reduzir o percentual para 10% vai na contramão do que o mundo discute sobre combustíveis menos poluentes”, argumentou Juan Diego Ferrés.

A posse na nova direção da FPBio para os próximos dois anos contou com a presença de vários deputados federais e estaduais, dos ministros da Agricultura, Tereza Cristina, da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, e do governador do Paraná, Ratinho Junior. O secretário Nacional de Petróleo e Gás Natural participou do evento representando o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.

Também estiveram no evento o líder do governo no Congresso, deputado Ricardo Barros (PP-PR), o embaixador do Paraguai no Brasil, Juan Àngel Delgadillo, a deputada federal Tereza Nelma (PSDB-AL), a deputada estadual de Alagoas, Jô Pereira (MDB), e as direções das outras entidades do setor. Os deputados Luis Miranda (DEM-DF), Vicentinho Junior (PL-TO), David Soares (DEM-SP), Aline Sleutjes (PSL-PR) e Pedro Westphalen (PP-RS) também participaram do evento e compõem a FPBio.

Presente no evento, o presidente da União Nacional da Agricultura Familiar e Economia Solidária (Unicafes), Antonino Cardozo, ressaltou a importância do biodiesel para a incorporação dos agricultores familiares a um setor industrial essencial para o País. “O programa do biodiesel é revolucionário porque permite a inclusão social e a utilização de um combustível limpo na matriz energética brasileira”, disse Antonino Cardozo.

 


Fonte: tnpetroleo.com.br/noticia/