Geral

Estação espacial internacional terá novos arranjos solares


A espaçonave SpaceX Dragon, da Nasa, que chegou no dia 5 de junho à Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) carregou , entre as mais de 7,3 toneladas em experimentos científicos que passarão por testes durante um mês no espaço, também novos arranjos solares para a estação.

Em sua 22ª missão de reabastecimento, a expedição entrega os novos arranjos solares ISS Roll-out (Irosa) à estação espacial. Depois de a espaçonave atracar no módulo da estação, um equipamento robótico extrairá os arranjos FV e os astronautas os instalarão durante caminhadas espaciais planejadas para 16 e 20 de junho.

Projetados para uma vida útil de 15 anos, os dois primeiros arranjos solares instalados na estação espacial têm operado continuamente na estação desde dezembro de 2000, por mais de vinte anos, portanto. Pares adicionais foram entregues em setembro de 2006, junho de 2007 e março de 2009, fornecendo eletricidade para que dezenas de tripulações realizassem milhares de experimentos científicos e operações contínuas, incluindo centenas de caminhadas espaciais, missões de carga e muito mais.

Embora estejam funcionando bem, os arranjos solares atuais mostram sinais de degradação. A Nasa incluirá os seis novos arranjos solares aos oito painéis rígidos (canais de energia). A Boeing, principal contratada da NASA para operações em estações espaciais, sua subsidiária Spectrolab e o principal fornecedor Deployable Space Systems (DSS) forneceram os novos arranjos. Esses novos painéis solares são compostos de seções compactas que, abertas, dispõem-se como um tapete longo.

Os novos arranjos de 19 x 6 metros produzirão juntos mais de 120 kW de eletricidade a partir da energia solar. Combinado com os oito arranjos originais, que são maiores, este novo equipamento avançado aumentará a potência instalada em 20% a 30%, elevando a disponibilidade de energia para experimentos e pesquisas.

Os oito arranjos atuais são capazes de gerar até 160 kW de energia durante o dia orbital, metade da qual armazenada nas baterias da estação para uso enquanto a estação não está sob a luz solar. Cada nova matriz solar produzirá mais de 20 kW de eletricidade, totalizando 120 kW adicionais de energia durante o dia orbital.

Fonte: www.arandanet.com.br