Geral

Atitude Empreendedora: rede de apoio protege melhor com identificação de necessidades


Rede de apoio foi o tema que permeou a quinta e última live do programa “Atitude Empreendedora e Saúde Emocional“, elaborado em parceria pela Firjan SESI e pelo Viva Rio. O encontro revelou que, para formar uma rede de proteção de sucesso para populações mais pobres, antes de tudo, é preciso identificar especificamente as  singularidades e necessidades de cada território. Marília Andrade da Rocha, coordenadora do Núcleo de Desenvolvimento Social do Viva Rio, explica que é importante travar diálogos, desenhar cenários de cada comunidade, para poder fazer uma costura – uma tapeçaria de proteção – para uma oferta ser de fato impactante.

“Uma rede tem que ser feita a partir de convergências. A gente está aqui para quê? O que temos em comum? É isso que faz essa trama se entrelaçar para não ficar fio solto”, afirma. Ela destaca que a estratégia de reconhecer na comunidade pessoas que falem das potencialidades e da história local, por exemplo, é um excelente começo para construir uma rede dentro do território em que atuam. A live “Fortalecendo as redes de apoio e oportunidade” tratou ainda da rede sob três perspectivas, a de apoio, a de oportunidades e a de direitos, mas provou que, juntas, elas sustentam e dão suporte em todos os sentidos a moradores de comunidades e periferias, principalmente nesse momento de pandemia.

Ian José Dias, analista de Projetos Especiais da Firjan, orientou que a rede de apoio é a que ampara; a de oportunidades é a que cria condições para que as pessoas possam confiar no futuro; e a de direitos mostra quais ações são desenvolvidas no território e onde buscar essas informações.

O evento, mediado por Larissa Aguiar, analista de Projetos Especiais da Firjan, também tratou da diferença entre apoio e ajuda. Segundo Dias, apoio supõe uma via de mão dupla, um suporte; enquanto ajuda configura uma ação pontual, como carregar a sacola de uma idosa em um mercado.

Segundo Ricardo da Silva Rodrigues, agente SESI Cidadania e morador do Cerro Corá, no Cosme Velho, “a rede de oportunidades permite transformar vidas de pessoas”. Ele lembra que a Firjan SESI muda histórias ao oferecer apoio nos territórios e comunidades através do esporte, lazer, cultura e educação básica e profissional.

O agente, que é também artista plástico, contou que fez parte da construção do Memória do Cerro Corá, um museu comunitário que conta a história do morro e apresenta indivíduos marcantes da localidade, como parteiras ou pessoas que conseguiram melhorar a vida local, seja colocando uma manilha num poço ou consertando uma escada.

A live “ Rede de apoio e oportunidades” foi a quinta e última do projeto Atitude empreendedora e Saúde Emocional da Firjan em parceria com o VivaRio.

Clique aqui para assistir à íntegra da última live e das anteriores.

 

Fonte: Firjan