Legislação

AS EMPRESAS E OS DILEMAS DA QUALIDADE


As empresas de um modo geral, e muito especialmente as micros, pequenas e médias, desde algum tempo, têm colocado como palavra de ordem é “temos de implantar a qualidade”.

Muitas das Empresas entendem ser a “implantação” da qualidade a simples observação a normatização de seus processos, produtos, serviços frente às normas ISO 9000.

Com isso obtêm os seus certificados, dão publicidade a “implantação”, mas, e os seus resultados? E a sua imagem? E os seus clientes? E a sua produtividade? E a sua competitividade? E a sua lucratividade? E o seu Futuro? Será a certificação pelas normas ISO sinônimo de qualidade empresarial ?

Qualidade é uma questão técnica, como se fosse a compra de um equipamento ou a implantação de um novo processo de trabalho, ou a Qualidade é antes de tudo uma questão de comportamento, de postura, de comprometimento de todos , Direção e Empregados, no destino da empresa?

Na realidade a qualidade tem de ser total e tem de ser o “fio condutor” de tudo o que se faz na empresa. A qualidade é dependente 100% do ser humano e o ser humano é o fator fundamental para o sucesso de qualquer processo de melhoria.

Um “certificado ISO” pendurado na parede é sinônimo de competência empresarial? Nós brasileiros cultuamos o diploma, mesmo que não tenha efeito prático algum sobre nossas vidas. Vemos por ai milhares de pessoas diplomadas (certificadas) porém frustradas, desqualificadas profissionalmente.

Obtiveram um diploma mas não perseguiram a competência necessária para se consolidarem num mercado de trabalho competitivo. Com as empresas, em relação a qualidade, vem acontecendo praticamente a mesma coisa.

A qualidade por toda a Empresa, único fator de competitividade, é o resultado da determinação do empresário/executivo de enfrentar diariamente o desafio de direcionar seu negócio, integrado, à busca continuada do fazer sempre mais, sempre melhor, sempre ao menor custo e sempre para a plena satisfação de seus clientes.

Paradigma da qualidade para o mundo empresarial, os japoneses não implantaram a qualidade simplesmente. Os japoneses vêm perseguindo e alcançando, a cada dia, melhores níveis de qualidade de seus recursos e produtos, o que lhes têm garantido sucesso por todo o mercado mundial.

Qualidade não tem “ponto final”. Qualidade é um conjunto de fatores, comandado pelo fator humano, em contínuo processo de desenvolvimento exigido por um mercado onde a competitividade é um desafio diário.

A premissa fundamental para o sucesso da qualidade total é a coerência empresarial. A certificação pelas normas ISO, como todas as ações em uma empresa, tem de estar subordinada à gestão da qualidade por toda a empresa, especialmente no tocante à qualificação e ao comprometimento dos recursos humanos.

O dilema entre a qualidade segmentada, parcial/setorial, e a qualidade total, “fio condutor”, é ainda hoje muito presente na vida das Empresas e nas decisões de seus gestores.


Fonte -Fonte: Boletim Visão Empreendedor / Maurício Cardoso