Geral

A Integração e a Convergência entre Setores no Combate ao Impacto do Covid-19


A avassaladora chegada do “coronavírus” em nossas vidas vem provocando mudanças radicais na rotina das pessoas e das empresas, trazendo uma atmosfera de incertezas para a saúde e vida da população e dos negócios, gerando consequentemente grande preocupação dos empreendedores, executivos, políticos e trabalhadores sobre o futuro das empresas, organizações, empregos e da economia como um todo.

É notório que o problema é muito grave, mas também é sabido que nunca na história da humanidade tivemos mais preparados e informados do que agora para fazer frente a esta recente ameaça global, que se encontra em nossas portas. Todos podem oferecer suas capacidades para enfrentar os problemas e reduzir os efeitos negativos do Covid-19 na sociedade. O espírito de colaboração, solidariedade e resiliência está aflorando em várias partes do planeta e pode ser um verdadeiro legado positivo do terrível momento que estamos passando.

Neste sentido, apesar das notícias negativas em todos os jornais, telejornais e redes sociais, começam a aparecer informações e iniciativas positivas e criativas para o esforço de enfrentamento dos problemas criados pelo “coronavírus”, por exemplo: diversas empresas, organizações e setores estão se unindo ao logo das cadeias produtivas para contribuir com seus recursos produtivos e criativos com soluções de combate aos efeitos do Covid-19, como exemplo algumas iniciativas que estão sendo organizadas de forma exemplar com apoio do setor do plástico.

Um bom exemplo de caso de sucesso é o que está ocorrendo recentemente por meio da liderança do sindicato patronal da indústria de material plástico do Rio de Janeiro – SIMPERJ que por meio da parceria com uma empresa fabricante de embalagens plásticas, a Velaplat que está doando 1800 bombonas de 20 litros para envasar 36 mil litros de álcool 70% oferecidos pela indústria de bebidas de Resende-RJ, a Pernod Ricard Brasil e também com a doação de 2 mil rótulos produzidos e oferecidos pelo setor gráfico, através da empresa NC Etiquetas do estado do Rio de Janeiro. Estes três setores: plástico, bebidas e gráfico se uniram para produzir, envasar, etiquetar e distribuir material que contribuirá para ajudar os profissionais do setor da saúde para o esforço de combate ao avanço do Covid-19 e mitigar os seus efeitos.

Esta iniciativa de integração e convergência entre setores econômicos ao longo da cadeia produtiva da saúde, com a presença de algumas empresas tradicionais participantes do setor como fornecedores e outras empresas convertendo a sua produção para atender ao setor da saúde, é um bom exemplo do que pode ser feito para o enfrentamento desta epidemia global, por meio de ações pragmáticas organizadas por empreendedores locais solidários, promovendo a cooperação e o encadeando de suas produções, para atender o esforço nacional de combate ao Covid -19. Este é o momento de intensificar a união e integração entre grandes, médias e pequenas empresas ao longo das cadeias produtivas nacionais com o objetivo de viabilizar soluções de mitigação dos efeitos do Covid -19 na saúde das pessoas e na economia.

O importante na lógica da convergência é saber que soluções específicas para problemas econômicos e sociais devem sempre levar em consideração o impacto no sistema como um todo. Uma solução específica pode ser tão eficiente para resolver um problema que ela, ao final, pode desestabilizar ou destruir o todo, o sistema por completo, consequentemente destruir a questão específica de seu propósito original, sendo então inadequada. Sendo assim a visão sistêmica e convergência a partir da integração e do encadeamento produtivo entre diversos setores econômicos, pode ser uma solução poderosa de enfretamento ao Covid-19 e reduzir os seus impactos negativos e promover a retomada do dinamismo econômico de forma criativa, revendo os modelos de negócios e seus potenciais relacionamentos entre cadeias produtivas.

A cadeia produtiva é o conjunto de atividades econômicas, conduzidas por agentes econômicos, que se articulam progressivamente desde o início da elaboração de um produto até seu consumo final. Isso inclui desde as matérias primas, máquinas e equipamentos, produtos intermediários, a distribuição e a comercialização do produto final, além dos serviços relacionados. Atualmente se estende após o consumo com a reciclagem, o reaproveitamento e a reutilização.

A lógica da convergência setorial ao longo das cadeias produtivas estimula a integração entre setores econômicos que muitas vezes não se percebem, porém podem alavancar a cadeia de valor das empresas participantes e dos agentes econômicos e sociais. Principalmente por meio das inter-relações e cooperações empresariais e institucionais, com foco na inovação, melhoria de processo, marca, produtos ,serviços e na solução de problemas da sociedade. Esta abordagem otimiza recursos devido ao melhor aproveitamento e utilização dos ativos existentes, de forma colaborativa e compartilhada, visando a economia circular, o bem estar e o aumento da produtividade e competitividade de todos os atores envolvidos.

A união entre o setor do plástico com o setor de bebidas e gráfico, visando atender o setor de saúde é um exemplo extraordinário de convergência setorial, encadeamento produtivo e empreendedorismo no Brasil, demonstrando possíveis soluções para o enfrentamento dos crescentes desafios sociais e do mundo dos negócios. Esta lógica de união entre setores, suas empresas e organizações deixará a nossa sociedade mais forte para enfrentar os atuais problemas e outros que podem estar por vir.

http://especialcoronavirus.rj.sebrae.com.br/