noticias

índice

BC: condução da inflação à meta é compatível com queda da Selic

O ritmo de redução da taxa básica de juros, a Selic, será calibrado, levando em conta o objetivo de atingir a meta de inflação de 4,5% em 2017 e 2018. A informação consta da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), divulgada hoje (25), em Brasília. Na semana passada, o comitê decidiu iniciar o ciclo que redução da taxa básica de juros, a Selic, que caiu de 14,25% para 14% ao ano.
No documento de hoje, o BC reafirmou o seu objetivo de conduzir a política monetária para atingir a meta nos próximos dois anos.

Para o Copom, atualmente não há incompatibilidade entre redução da Selic e meta de inflação. “O Comitê entende que a convergência da inflação para a meta em 2017 e 2018 é compatível com uma flexibilização moderada e gradual das condições monetárias. O Comitê avaliará o ritmo e a magnitude da flexibilização monetária ao longo do tempo, de modo a garantir a convergência da inflação para a meta de 4,5%”, destacou o BC.

O comitê informou ainda que a intensificação dos cortes na Selic depende da “evolução favorável” de fatores que permitam maior confiança no alcance da meta de inflação. O BC espera, por exemplo, que os componentes do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – mais sensíveis à política monetária (definição da Selic) e à atividade econômica – “retomem claramente uma trajetória de desinflação em velocidade adequada.

Ajuste fiscal são necessários
Outro fator citado pelo Copom são os “ajustes necessários na economia”. Para o comitê, é preciso que o ritmo de aprovação e a implementação da reforma fiscal contribuam para uma dinâmica inflacionária compatível com a convergência da inflação para a meta. “O comitê avaliará a evolução da combinação desses fatores”, disse no documento.

Para o comitê, condicionar a evolução futura da Selic a fatores relevantes para a inflação “transmite, de maneira mais adequada, a racionalidade econômica que guia as suas decisões”.

O Copom avalia que houve avanço nos esforços de aprovação e implementação nos ajustes na economia, notadamente as reformas fiscais. Para a diretoria do BC, esses esforços são fundamentais para a estabilização e o desenvolvimento da economia brasileira.

“O comitê deve acompanhar atentamente esses esforços, uma vez que há reflexos importantes no processo de desinflação. Há consenso no comitê de que a velocidade no processo de apreciação das propostas de ajustes tem excedido as expectativas”, disse. O comitê diz ainda que essas medidas impactam não somente a demanda da economia, mas também a percepção de melhora da dinâmica das contas públicas no médio e longo prazos.

Projeções para inflação
Na ata, o comitê diz que as suas projeções e as do mercado recuaram e estão em torno de 7%.

As projeções para os preços administrados por contrato ou monitorados foram mantidas em 6,2% em 2016, 5,8% no próximo ano e 5,1% em 2018.

Entretanto, o Copom disse que uma série de fatores pode produzir mudanças nas projeções para os preços administrados. Um desses fatores foi a redução dos preços de combustíveis.

O comitê cita também evidências de reduções de preços de energia elétrica mais fortes que o esperado em algumas regiões e a possibilidade de adiamento de reajustes de preços de transporte urbano em algumas cidades. Por outro lado, o Copom disse que há risco de reajustes acima do esperado nos preços da energia elétrica ao longo de 2017 em decorrência, entre outros fatores, de mudança de bandeira tarifária.