CEDAE OFERECE ÁGUA DE REÚSO PARA LIMPEZA URBANA

A escassez de chuvas que atinge a região Sudeste trouxe à tona a discussão sobre o desenvolvimento de novas formas para reutilização de um recurso cada vez mais precioso: a água. Há alguns anos, a Cedae vem implementando em suas Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) processos para reúso da água, que pode ser destinada a indústrias e à limpeza urbana. Atualmente, as ETEs Alegria, no Caju, e Penha mantêm projetos de produção de reúso.

Na ETE Penha, os cerca de 6 milhões de litros de água de reúso produzidos mensalmente são fornecidos para a Comlurb. O recurso é transportado em caminhões-pipa e se destina à limpeza de ruas após feiras livres, calçadas, praças e monumentos da cidade do Rio de Janeiro e também para lavagem dos pátios internos da própria Comlurb. Já na ETE Alegria, 910 mil litros de água de reúso são encaminhados todo mês para o setor de construção e limpeza das obras do Porto Maravilha, ao lado da estação.

– Com a constante diminuição da disponibilidade dos recursos hídricos mundiais, não é razoável usar água potável na limpeza urbana. Essa água destinada a consumo humano demanda um trabalho enorme para ser tratada, há dificuldades quantitativas e qualitativas de uso. Por isso, acreditamos ser tão importante fomentar o reúso. Queremos ampliar esse projeto para todas as ETEs – afirmou o presidente da Cedae, Jorge Briard.

Para alcançar o estado de água de reúso, o esgoto que chega às ETEs passa por quatro fases de tratamento, que são responsáveis pela remoção gradativa de resíduos como lixo, matéria orgânica, areia e micro-organismos e desinfecção. Todo o processo dura cerca de 12 horas.

– O esgoto que recebemos vem em estado bruto, com 99,8% de água e 0,20% de impurezas. Na estação, removemos esses poluentes até que a água tenha qualidade para ser lançada na Baía de Guanabara. Para usá-la como água de reúso, acrescentamos uma quarta etapa ao processo, que é a adição de cloro. Dessa maneira, ela pode ser usada para diversos fins industriais e de limpeza – explicou o gerente de tratamento de esgoto da ETE Alegria, Miguel Cunha.

Atualmente, a Cedae está desenvolvendo um projeto para produzir água de reúso a partir da água usada na retrolavagem dos filtros e decantadores da Estação de Tratamento de Água (ETA) Guandu. O produto será fornecido para o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), em Itaboraí, que fará uso industrial do material.


Fonte -Fonte: Portal do Governo do Estado do Rio de Janeiro