noticias

Energia elétrica

CCEE: CONSUMO CAI 0,3% EM MAIO

Dados preliminares de medição coletados entre os dias 1º e 23 de maio apontam queda de 0,3% no consumo e de 1% na geração de energia elétrica no país, na comparação com o mesmo período de 2015. As informações constam na última edição do boletim InfoMercado Semanal, da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, que traz dados de geração e consumo de energia, além da posição contratual líquida atual dos consumidores livres e especiais.

A análise do desempenho da geração indica a entrega de 60.037 MW med de energia ao Sistema Interligado Nacional em maio. A produção das usinas eólicas alcançou 3.090 MW med, elevação de 47,9% no período. A geração térmica, por sua vez, caiu 29,4% e o desempenho das usinas hidráulicas, incluindo as Pequenas Centrais Hidrelétricas, registrou aumento de 7,6%, com representatividade de 75,3% da fonte sobre toda energia produzida no país. O índice é 6,2 pontos percentuais superior ao registrado em 2015.

Já o consumo de energia somou 58.026 MW med, queda de 1% na comparação com o ano passado. No mercado cativo, houve retração de 1% no consumo, enquanto no mercado livre, no qual consumidores compram energia diretamente dos fornecedores, foi registrado aumento de 1,8%. Nos ramos da indústria avaliados pela CCEE, incluindo dados de autoprodutores, consumidores livres e especiais, os setores de comércio, com crescimento de 18,9%; bebidas, com crescimento de 16,7%; e alimentício, com alta de 14,8%, registraram os maiores índices de aumento no consumo. A queda, por sua vez, foi maior nos ramos de extração de minerais metálicos, com recuo de 19%; químico, com queda de 2% e de veículos, que teve redução de 2%.

O InfoMercado Semanal também apresenta estimativa de que as usinas hidrelétricas integrantes do Mecanismo de Realocação de Energia gerem, até a quarta semana de maio, o equivalente a 90,9% de suas garantias físicas, ou 45.814 MW médios em energia elétrica. Para fins de repactuação do risco hidrológico, este percentual foi de 90,4%.

Fonte: CanalEnergia